Quem foi Patativa do Assaré?

“Eu sou de uma terra que o povo padece / Mas não esmorece e procura vencer. / Da terra querida, que a linda cabocla / De riso na boca zomba do sofrê / Não Nego meu sangue, não nego meu nome. / Olho pra fome, pergunto: o que há? / Sou brasileiro, filho do Nordeste / Sou Cabra da Peste, sou do Ceará. Antônio Gonçalves da Silva”

patativa-assarePatativa do Assaré foi um poeta popular, compositor, cantor e repentista brasileiro. Usava de uma linguagem simples, porém poética para retratar a vida sofrida e árida do povo nordestino. Seus livros, traduzidos em vários idiomas, foram tema de estudos. E foi considerado um dos maiores poetas populares do Brasil.

Nascido no ano de 1909 no município de Assaré, interior do Ceará, filho dos agricultores Pedro Gonçalves da Silva e Maria Pereira da Silva, quando ainda pequeno ficou cego do olho direito. Passou a ser órfão de pai aos oito anos de idade e começou a trabalhar no cultivo de terra. Teve pouco acesso à educação, e frequentou apenas durante quatro meses sua primeira e única escola, onde aprendeu a ler e escrever e se tornou amante da poesia.

A partir daí, começou a fazer repentes e se apresentar em festas locais. Antônio Gonçalves da Silva passou a receber o apelido de Patativa, pois sua poesia era comparada a beleza do canto dessa ave. De linguagem simples, porém poética, retratava em suas poesias a árida terra nordestina e o seu povo sofrido e valente do seimagesrtão.

Viajou para o Pará, onde passou cinco meses fazendo grande sucesso como cantador. Já de volta ao Ceará continuou na mesma vida de pobre agricultor e cantador. Seu destaque em todo o Brasil teve inicio a partir da gravação de “Triste Partida” em 1964, gravada por Luiz Gonzaga, o Rei do Baião.
Tivera inúmeros folhetos de cordel e poemas publicados em revistas e jornais. Fez da politica tema da obra e de sua vida. Onde em sua obra criticava os militares durante o regime militar e chegou a ser perseguido.

Sem audição e cego desde o final dos anos 90, morre em consequência de falência múltiplas dos órgãos, no dia 08 de Julho de 2002, aos 93 anos, um dos maiores poetas populares do Brasil, e deixou suas poesias como lembrança de um amante e representante nordestino.